Nina Lemos

Categorias

Histórico

"Meu bicho ficou doente": como não cair em ciladas?

Nina Lemos

16/04/2018 12h59

Foto: Getty Images

O seu bicho de estimação adoece repentinamente, fica fraco, para de comer. O que você faz? Entra em desespero, claro. E vai correndo com seu bicho amado para a clínica veterinária mais próxima. Chegando lá, dizem que o caso é grave (desespero). Seu bicho precisa ser internado e submetido a vários exames e procedimentos. Você diz sim para tudo, óbvio! Afinal, você só quer que seu animal seja salvo e não sofra. A conta vai aumentando. Parece um pesadelo.

Aconteceu comigo. Há duas semanas, minha gata Cafeína, de 13 anos, ficou doente. O que fizemos? Eu e minha mãe saímos correndo com ela para uma clínica em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, indicada por uma conhecida. Ela estava mal e ficou internada. No dia seguinte, recebemos o diagnóstico: peritonite, o rim estava péssimo, o fígado também. E a gata idosa precisaria fazer uma cirurgia para remover um rim. Eu também, pelo visto, teria que remover meu para pagar a conta, que já somava mais de R$ 2.000. Só a cirurgia custaria mais R$ 3.000, fora os outros dias de internação etc.

Fui salva por uma prima médica e protetora de animais que me disse com firmeza que a gata não devia ser operada e me indicou a Suipa (Sociedade União Internacional Protetora dos Animais). Ali, esperei seis horas por atendimento. Mas minha gata foi bem tratada, veio para casa com a prescrição de vários antibióticos e comida especial e, enquanto escrevo esse texto, está viva, bem e do meu lado. Minha gata foi salva por muito pouco de fazer uma cirurgia onde corria o risco de morrer e eu fui salva da falência.

A modelo Marina Dias e seu gato não tiveram a mesma sorte. “Ano passado meu gato ficou internado e foi operado em uma clínica particular em Pinheiros (zona oeste de São Paulo). Ele   não aguentou o pós-operatório e faleceu poucos dias depois. A conta foi de R$ 10.000.E não me deixaram parcelar, nada. Foi duro (em todos os sentidos).”

Quanto mais contava o meu drama com minha gata, mais encontrava pessoas que passaram pela mesma situação. E, sim, fica claro pelas histórias que algumas clínicas (claro que não são todas e existem muitas boas e comprometidas com os animais) se aproveitam da nossa dor e desespero para (literalmente) meter a faca (nos pressionando para fazer procedimentos invasivos em nossos animais e cobrando uma fortuna).

Mas como se precaver para fugir dessas armadilhas quando seu bicho fica doente?

“Quando pedem muito exame caro já começo a desconfiar”, diz a experiente gateira Ju Freitas. “Uma vez minha gata parou de comer, ficou muito quieta. Levei em uma clinica de emergência perto da minha casa no Rio de Janeiro e queriam fazer uma operação de urgência no intestino. Fiquei desesperada. Eu não tinha dinheiro, não teria como pagar. O meu tio, que também é gateiro, me indicou um veterinário de confiança. Levei  e o que a minha gata tinha eram gazes. Foi só trocar a ração e ficou tudo bem”. Prova de que existe, claro, muito profissional bom.

Erramos (e quem paga é o cliente) 

Mas existe caso até de clínica que comete erro médico (e faz o cliente pagar pelo erro ). Aconteceu com outra gateira, Emy Pimenta. “Meu gato estava com obstrução na uretra, foi internado em uma clínica. Deram muito soro e a bexiga dele explodiu. Por causa disso, ele teve que fazer uma cirurgia de reconstrução”, conta Emy. Além de quase perder o bicho, ela teve que pagar (e caro) pelo procedimento. “Só a cirurgia foi R$ 2.000. Fora as diárias de internação e vários exames. Passei seis meses pagando no cartão de crédito.”

Depois desse episódio, ela passou a tratar seus gatos em um hospital público de animais de São Paulo, o Anclivepa.

“O atendimento é ótimo, mas não é perfeito, claro, você tem que esperar horas para conseguir uma senha, outras muitas horas para ter atendimento. Mas eles cuidam muito bem dos animais.”

Algumas idéias para escapar dessas situações desesperantes: peça indicação para associações de proteção de animais da sua cidade. E, mesmo no desespero, respire fundo e peça uma segunda opinião no caso de sugestão de processo muito invasivo e caro. Se eu não tivesse feito isso, minha gata estaria (se viva) sem um rim. E eu, falida.

Suípa (Sociedade União Internacional Protetora dos Animais): (21) 3297-8777

Anclivepa: (11) 2291-5159

Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora, tem 46 anos e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance “A Ditadura da Moda”.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre a vida das mulheres com mais de 40 anos, comportamento, relacionamentos, moda. E também para quebrar preconceitos, criticar e rir desse mundo louco.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Nina Lemos
Topo