PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Fred Elboni: quando o "especialista" em mulher é denunciado por agressão

Nina Lemos

02/07/2020 04h00

Divulgação

O escritor Fred Elboni ganha a vida com um negócio lucrativo: ele "ensina" mulheres a entender os homens e a si mesmas. Sim, isso existe e pode ser rentoso. No seu caso, ele tem um canal de youtube com mais de um milhão de assinantes, best sellers publicados e milhares de seguidores em redes sociais.

Sua autoajuda é focada principalmente em relacionamentos. Fred, inclusive, faz palestras sobre o assunto, já trabalhou como roteirista do programa da Globo "Amor e Sexo" e tem um blog chamado "Entenda os Homens". Agora, ele é denunciado de agressões contra mulheres.

Veja também

 Sim, o sujeito se vendia como um cara sensível, desconstruído, aquele "diferente dos outros", todo fofinho. Hoje, duas mulheres o acusam de episódios diferentes de violência.

A primeira denúncia é de uma ex-namorada. Suzanne Riediger fez um vídeo em outubro do ano passado, no qual relata duas agressões que sofreu. Em uma delas, um ex teria dormido bêbado e, no meio da noite, do nada, praticado violência física contra ela, tentando jogá-la da janela do décimo andar. Ela não deu nome ao acusado. Mas, depois de especulações, na terça-feira, Frederico resolveu gravar um vídeo para esclarecer a situação e disse que o cara era ele. 

Em sua resposta, o escritor diz que deu um puxão no braço da ex enquanto dormia e, justamente por não lembrar da situação, teriam procurado um psicólogo para tentar entender o que tinha acontecido. Os relatos de Suzanne e Fred têm pontos em comum, mas Suzanne frisa que a versão mais branda do ex é mentirosa.

Ontem, o nome do escritor ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter. E a Youtuber Karen Bachinni fez outra denúncia. Segundo ela, em uma viagem de influenciadores, Fred teria ficado bêbado e violento. Ela diz que tentou acalmá-lo. Ele teria tentado beijá-la, dado mordidas nela, que machucaram. Karen conta que chamou amigos para a ajudarem a lidar com a situação. Em certo ponto, eles não viram outra opção a não ser segurá-lo. "Ele ficou tão doido quando isso aconteceu que quebrou o rack de hotel e machucou o cotovelo do meu amigo de um jeito horrível. Ele tem uma cicatriz até hoje", relatou.

A história é assustadora, principalmente porque Fred faz sucesso entre meninas jovens como "o cara sensível", o "desconstruidão", o "bom moço", o esquerdomacho",  "o poeta sensível" e essas outras categorias que costumam agradar as mulheres por, teoricamente, fugirem dos padrões machistas que a gente despreza.

Nas redes sociais, muitos de seus fãs se diziam decepcionadas. "Até ele?" "Como assim?" 

Todas as acusações foram provadas? Não. Mas, sinceramente, porque Karen, que tem mais de dois milhões de seguidores no YouTube, iria se expor com uma história assim? No caso de Suzanne, bem, Fred confirma que a agrediu. Mas conta uma versão bem mais light. E, segundo ele, isso foi resolvido em quatro sessões de terapia (opa, se fosse tão rápido assim resolver a vida, não?). E pelo jeito, para ela não foi resolvido. No vídeo em que conta a história, Suzanne chora várias vezes.

Fato é: agressor ou abusador (e falo no geral) não tem cara. Não é só o cara machão que agride (e muitos dos machões inclusive não fazem isso). 

O agressor pode ser poeta sensível, músico inspirado e todas aquelas outras profissões clichês de "caras sensíveis". A vida é complicada. Se só os caras que tem estereótipo de agressores o fossem, nossa, como a vida seria mais fácil! 

Muitas coisas nessa história são perturbadoras. Uma delas é: como um cara ganha a vida ensinando as mulheres a se relacionarem e se descobrirem? Até quando vamos precisar das palestrinhas desses sujeitos? E, claro, até quando vamos acreditar no "homem fofo sem defeitos"?

Não é o caso, como muitas de suas fãs estão dizendo no Twitter, de sair dizendo por aí que essa história prova que que todos os homens são um lixo (não são). Agora, vamos ficar espertas na hora de cair no conto do desconstruído sem defeitos! E, claro, vamos parar de acreditar nesses sujeitos que acham que podem ensinar mulheres a se relacionar com homens e a.. serem mulheres (sim, eles fazem isso).

Sobre a autora

Nina Lemos é jornalista e escritora, tem 46 anos e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance “A Ditadura da Moda”.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre a vida das mulheres com mais de 40 anos, comportamento, relacionamentos, moda. E também para quebrar preconceitos, criticar e rir desse mundo louco.