Topo

A pressão estética por uma vulva perfeita vale mesmo uma cirurgia?

Nina Lemos

30/05/2019 04h00

Letícia operou a vagina: vale a pena tomar anestesia para agradar homens? (Foto: Reprodução/ Instagram)

Semana passada, a ex-BBB e yotuber Letícia Santiago virou notícia porque realizou uma cirurgia íntima, ou ninfoplastia. Ela fez uma plástica na vagina e expôs isso em detalhes no Youtube e no Instagram.

Letícia não é a primeira, nem será a última famosa a expor uma coisa que pode influenciar outras mulheres a cair na mesma, ou a começarem a ver problema onde não tem e passar a achar que há algo errado com seu órgão sexual. Spoiler: na maioria das vezes, está tudo certo!

Em entrevista ao UOL, Letícia disse que teria feito a plástica como um presente para o marido. "Ele me pediu em casamento na semana passada. Eu disse: 'Gente, eu vou fazer uma surpresa'. Então é o meu presente de casamento. Tinha que dar um presente para o maridão, porque nós dois vamos aproveitar muito, né?"

Veja também

Cada um faz o que quer. Mas tomara que a onda de fazer uma cirurgia para agradar homem não pegue. Afinal, uma cirurgia é uma cirurgia. Você toma anestesia, vai para centro cirúrgico, sangra. Não dá para encarar uma coisa dessas como a compra de uma lingerie nova. Cada hora que uma pessoa que têm seguidores fala isso, muitas mulheres podem ir na onda.  E trago más notícias: fazer intervenções na vulva já está virando tendência.

Brasil é o campeão

O Brasil é o país campeão em cirurgias íntimas no mundo, segundo dados da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética, seguido dos Estados Unidos. O último levantamento feito por eles, com dados de 2017, mostra que esse tipo de cirurgia é a que cresce mais rapidamente no mundo. O relatório de 2017 mostra um aumento mundial de 200%.

"Já está virando moda, é uma tendência que eu vejo no consultório, minhas pacientes comentam", diz a ginecologista carioca Carolina Cabral. Segundo ela, a cirurgia mais comum é a de redução dos pequenos lábios. "Dói, por ser uma área sensível, e que consiste em tirar pele dos pequenos lábios. Não é complicada", ela explica.

Em alguns casos esse tipo de cirurgia pode ser indicado? Sim. Mas, como em tudo, o negócio é o exagero. "Existe o que chamamos de hipertrofia, algumas mulheres têm os lábios maiores. Em alguns casos, podem ter um maior que o outro, por exemplo. Se for uma coisa gritante e incomodar, não há problema algum. O que acho complicado é acharem que existe um padrão de vulva", explica.

Sim. Umas são diferentes uma das outras. "É igual peito: tem gente que tem o peito grande, outras o peito pequeno. Ter diferença é normal", explica. E completa: complicado é acharem que só um tipo "é o certo."

Há mulheres querem ter órgão como os de bonecas (que, na verdade, nem têm vulva), e também que a pornografia influencia (cada vez mais acessível, com suas mulheres "perfeitas").

Fato: não podemos, sinceramente, tratar qualquer parte do nosso corpo como se fosse uma peça de roupa, que ora sai de moda, ora entra na moda. E, depois de um tempo, fica velha demais.

Ah, sim, porque ainda tem essa. Junto com a tendência da ninfoplastia, existe a do "laser", também conhecido como rejuvenescimento vaginal.

Carolina explica. É um processo simples, feito por dermatogistas com laser, similar ao que é realizado no rosto, que serve para diminuir a flacidez do órgão. Ele pode ser indicado para mulheres na menopausa que sentem dor na relação sexual, pela perda de estrogênio. Mas, como sempre, o problema é o exagero , "moda" e a pressão. Colocaremos espelhos ali embaixo para checar se está com aparência jovem? Chegaremos a esse ponto? Para quê?

Não basta todas as listas de paranoias que temos com nossa aparência, com nossa autoestima? Agora vamos criar mais essa? Sério? Vamos deixar que nossa intimidade mais íntima seja alvo de nossa própria patrulha estética e da moda? Pense bem… Ainda dá tempo de, pelo menos, manter essa tendência sob controle.

 

Sobre a autora

Nina Lemos é jornalista e escritora, tem 46 anos e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance “A Ditadura da Moda”.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre a vida das mulheres com mais de 40 anos, comportamento, relacionamentos, moda. E também para quebrar preconceitos, criticar e rir desse mundo louco.

Nina Lemos