PUBLICIDADE

Topo

2020 mal começou e sommeliers de corpo já atacaram Bruna Marquezine

Nina Lemos

03/01/2020 04h00

 

"A mulher foi gata, hoje ela tá um terror de feia." "Vamos comer uma pizza para colocar uma gordura nesse corpo." "Melhor comer um pouquinho, tá magrinha demais, filha." Esses comentários foram feitos por homens em uma foto de Bruna Marquezine publicada por ela, em suas redes sociais, no Réveillon.

Bruna postou fotos de top e saia, de barriga de fora, desejando feliz ano novo. E está até agora sendo chamada de "magra demais", "anoréxica", "doente". O tom das mensagens é esse que postei acima.  E quem escreveu isso foram homens. 

Sim, os caras sommeliers de corpo feminino, que acham que têm PhD em saúde e estética, e que nossos corpos são objetos deles, para serem analisados, como se fossem pedaços de carne, se ouriçaram todos! Devem estar felizes em ter um novo objeto de crítica.

Veja também

Provavelmente esses caras se sentem mais homens ao olhar para um corpo feminino e falar, com essa autoridade toda, em tom paternalista ("porque mulher é burra, não sabe o que está fazendo etc"): "come um POUQUINHO, fia". "Coloca uma GORDURINHA no corpo." Ou, "Gente, vocês notaram que dá para ver o pulmão dela? Anorexia é uma doença e mata. Pelo amor de Deus, se cuida". Sim, esse comentário é real e foi feito por um médico (na cabeça dele) com visão de raio-X capaz de olhar para uma foto e ver os órgãos internos das pessoas. 

Quem esses caras pensam que são? A autoestima do homem hétero, já falei sobre issofaz com que eles se achem lindos e, claro, gênios, que entendem de tudo. 

E eles ainda se sentem com toda a autoridade para olhar para um corpo feminino e dizer, com cara de nojinho: "assim eu não gosto". Como se um corpo de mulher existisse para agradar a eles, os perfeitos, os reis todo-poderosos. Sim, pelo jeito eles acham que nós, mulheres, somos todas suas súditas!

Algumas teorias: eles cresceram achando que somos, sim, uma coisa, tipo um carro, sobre a qual eles podem dizer: gosto, não gosto. Cresceram vendo tios e pais barrigudos (que ninguém critica, claro) fazendo o mesmo. Com sete anos de idade, já chamavam uma menina de gorda na escola. Ou de Olivia Palito (experiência própria). 

Mimimi?

Agora, quando muitas mulheres saem em defesa de Bruna Marquezine, eles dizem que estamos fazendo "mimimi". Que o mundo está chato, oras, nem se pode mais reclamar de um corpo de uma mulher superpadrão, toda gata, que eles nem conhecem em paz! E, com a certeza de um médico PhD, repetem, dando o diagnóstico: está anoréxica, sim!

Anorexia é uma doença muito séria e não devia ser banalizada. E quem tem problemas, nesse caso, não parece ser a Bruna, mas pessoas com imagem errada de si mesmas e com mania de grandeza. 

Ah, sim, algumas mulheres foram na onda do "taca fogo na Geni", pedindo para que Bruna se alimente melhor (com a baba escorrendo). Ei, você, mulher, que julga o corpo de outra, não sabe que o mesmo logo vai acontecer com você?

Estamos na primeira semana de 2020 e uma mulher linda e totalmente dentro do padrão já foi jogada dentro da fogueira. Vocês já repararam que são sempre as mulheres que são tratadas desse jeito? É a Bruna, a Cleo, a Isis Valverde. Todas mulheres. E isso não é coincidência.

 

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Nina Lemos é jornalista e escritora, tem 46 anos e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance “A Ditadura da Moda”.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre a vida das mulheres com mais de 40 anos, comportamento, relacionamentos, moda. E também para quebrar preconceitos, criticar e rir desse mundo louco.

Nina Lemos