PUBLICIDADE

Topo

Ansiedade pós-lockdown: quando a possibilidade de voltar a sair causa medo

Nina Lemos

22/05/2020 04h00

As coisas não vão ser como antes — pelo menos não antes que haja uma vacina. (Foto: iStock)

O que você vai fazer quando o confinamento acabar? Enquanto muita gente fala que vai sair correndo, ir para a praia e a encontrar os amigos, outros sentem arrepio só de imaginar essa possibilidade. Louco, sim? Mas pense: você vai se sentir super bem na rua sabendo que o vírus ainda está por aí?  A realidade é essa: os países saem do isolamento antes que exista uma vacina. O vírus continua, mas quando os casos diminuem, a vida também tem que continuar e… vem o medo.

Na Europa, onde o confinamento acabou na maioria dos países (apesar de ainda existirem restrições grandes), o medo de voltar a sair, mandar os filhos para a escola e ir para o escritório já tem um nome: ansiedade pós-lockdown. Entre os sintomas: medo de sair na rua e ser contaminado, medo do futuro e sensação de falta de controle.

Claro, se a gente está trancado em casa, tem a sensação de estar totalmente livre do vírus. Na rua, o medo retorna. E tem mais: por estranho que possa parecer, algumas pessoas acabam se acostumando com o isolamento. E não querem voltar para a vida que tinham antes. 

Veja também

Volta às aulas

Na Inglaterra, um estudo feito pelo pelo instituto de pesquisa Ipsos Mori descobriu que dois terços dos britânicos disseram se sentir desconfortáveis ao usar o transporte público ou ir a restaurantes. Metade deles tem medo de mandar os filhos de volta para a escola.

A artista visual Tuca Paoli, que mora em Berlim, na Alemanha, passou por isso. Quando, depois de dois meses, sua filha de oito anos foi liberada para voltar para a escola, sua primeira reação foi não deixar. "Ela voltou depois dos colegas, mas acabei deixando porque sabia que ela sentia falta dos amigos e vi que as condições eram boas. E ela só tem aula duas vezes por semana." O filho mais novo, Tom, de cinco anos, continua em casa. "Não quero que ele volte para o jardim de infância agora. Criança pequena não tem como controlar, ensinar a fazer distância social."

Ela diz que, no entanto, tem lutado contra o medo. "Outro dia fui a um restaurante com o meu marido, sentamos do lado de fora, com distância social. Ele entrou e pegou um vinho. Aos poucos estou voltando a sair um pouco, mas com muito cuidado e muito devagar. O vírus não foi embora. Ele está aí. Mas uma hora a gente tem que voltar a viver."

Confissão: eu, autora desse texto, também moro em Berlim e não tenho ideia de quando voltarei a usar transporte público. E, quando soube que o comércio abriria, em vez de sentir alívio, senti medo e até raiva. Tenho, como muitas pessoas, medo de que a abertura tenha sido cedo demais.  Aos poucos voltei a sair, mas sozinha e em lugares abertos.

Como vai ser no Brasil?

No Brasil, onde o fim do confinamento ainda é uma ideia distante, o medo desse momento já assusta muitos. "Sinto arrepio de pensar no fim do confinamento. Como sentir-se seguro em sair de casa sabendo que estamos todos vulneráveis a um vírus que reage de formas diferentes em cada pessoa?", diz  a jornalista Milena Ferreira, que mora em Maceió. "Minha preocupação também é com o meus pais. Como vou me sentir com eles saindo por aí livremente antes que haja uma vacina?"

Milena se preocupa também com a filha, que está na faculdade. "Como será essa volta às aulas? Do jeito que era é impossível", diz. Ela também faz uma segunda faculdade. "Lembro de toda aquela manifestação e sinto medo e não desejo o retorno."

Sobre a autora

Nina Lemos é jornalista e escritora, tem 46 anos e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance “A Ditadura da Moda”.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre a vida das mulheres com mais de 40 anos, comportamento, relacionamentos, moda. E também para quebrar preconceitos, criticar e rir desse mundo louco.

Nina Lemos