PUBLICIDADE

Topo

Briga na família de Michelle Bolsonaro: presidência não é "A Fazenda"

Nina Lemos

13/08/2020 13h24

 

Quando li sobre os últimos acontecimentos envolvendo a primeira-dama Michelle Bolsonaro e sua família, na hora lembrei do programa "A Fazenda". No reality da Record, muitas vezes os participantes perdem as estribeiras. As brigas, em alguns casos, incluem cuspes. Uma baixaria. 

Essa semana, a avó de Michelle morreu de coronavírus. Uma tragédia que acomete milhares de famílias brasileiras. Era para ser um momento de luto e consternação.

Mas não. Pelo que se sabe, a avó, Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 80 anos, foi encontrada caída na rua e depois atendida em um hospital público. Não tivemos nenhuma informação de que a primeira-dama tenha ajudado a avó doente ou visitado, cuidado e essas coisas que faríamos se fosse a nossa avó. Isso já seria o suficiente para gerar especulações. Mas, nas últimas horas, tudo tomou um rumo de reality show de baixaria. 

veja também

O youtuber Eduardo D'Castro, primo de Michele, resolveu fazer um "exposed" (termo famoso na internet e geralmente dedicado a ídolos de jovens) da primeira dama. Ele postou que ela teria abandonado a avó. Em seguida, exibiu mensagens trocadas por ele e a primeira-dama por direct do Instagram. Ali, Michelle o xinga e fala frases como "deixa de ser cretino", "você não é o rico da internet?", "cuidado com as suas postagens, seu moleque". Você nem gostava da vó, seu falso". Em seguida, Eduardo gravou um vídeo ameaçando contar segredos de Michelle. 

Ou seja, o que era para ser um momento de luto, rapidamente se transformou em uma briga estilo reality show. No momento, todos nós aguardamos os próximos capítulos.  

Sim, esse tipo de acontecimento dá audiência em programas de TV, afinal, todos temos um lado que gosta de ver essas baixarias. Também adoramos acompanhar "tretas" na internet. 

Mas… no caso de uma família presidencial, baixarias públicas não deviam acontecer. Em países sérios, simplesmente não acontecem. Ou alguém consegue imaginar um barraco desses envolvendo outra Michelle, a Obama? Ou algo parecido envolvendo Brigitte Macron, esposa de Emmanuel Macron, a primeira-dama que foi  alvo de ofensa pelo presidente Jair Bolsonaro? 

Eu não fui a única a lembrar de "A Fazenda" quando li os últimos acontecimentos. No momento, a primeira-dama é comparada no Twitter com Andressa Urach, a ex "Miss Bumbum", que foi uma das participantes mais barraqueiras do reality show.

Todos temos problemas de família? Sim, claro. Mas cabe a nós, adultos, administrá-los de maneira que situações desse tipo não aconteçam.

Como nós, pessoas adultas, lidamos com isso? De várias maneiras. A primeira delas é assistindo nossos familiares. Não conheço ninguém que cuide de uma avó para evitar barracos. Fazemos isso simplesmente porque é o natural. Se agimos de forma "normal" (cuidar dos avós não é ser legal, é apenas o básico) esse tipo de coisa não acontece.

Não sabemos de detalhes do relacionamento da avó e Michelle. E nem precisamos saber. Na verdade, se essa baixaria não tivesse vindo à tona, nem estaríamos especulando nada, mas apenas lamentando a morte de mais uma senhora de 80 anos por coronavírus no Brasil. Aliás, enquanto escrevo este texto, o Brasil já passa de 104 mil mortes por coronavírus.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Nina Lemos é jornalista e escritora, tem 46 anos e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance “A Ditadura da Moda”.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre a vida das mulheres com mais de 40 anos, comportamento, relacionamentos, moda. E também para quebrar preconceitos, criticar e rir desse mundo louco.